segunda-feira, novembro 15, 2004

NOVA NOVELA

Gostaria relatar uma ideia espectacular para uma telenovela nacional.Chamar-se-ia "Irmãos de sangue". João (que poderá ser Paulo Pires) é um engenheiro que trabalha numa fábrica perto da IC19. A sua mulher Helena (Catarina Furtado) é professora de Educação Física numa escola secundária não muito longe. Tem como colega de trabalho a Maria do Céu (Fernanda Serrano) com a qual mantém uma relação lésbica secreta. No entanto, Artur (Pedro Lima), o marido de Maria do Céu, está ao corrente da relação, tendo até inquirido a sua esposa sobre a possibilidade de poder assistir a uma das sessões lésbicas que ela realiza com Helena. Helena, porém, não se sente muito à vontade, pelo que tenta terminar o caso com Maria do Céu. Mas Maria do Céu não leva a coisa a bem. Aproveitando-se de vídeos que gravou sem o conhecimento de Helena, envia uma cassete com uma colectânea dos melhores momentos a João, marido de Helena. Acontece que, sob o pretexto da crise, a empresa multinacional em que João trabalha aproveitou a deixa para despedir cerca de 1500 trabalhadores, decidindo fechar alguns laboratórios europeus (nomeadamente o português). Por não se encontrar no trabalho nesse dia, uma vez que foi forçado a despedir-se, João não recebe a cassete enviada por Maria do Céu, sendo a mesma devolvida no próprio dia. Ao ser entregue de volta a casa, Artur, que assinou pela recepção da cassete, observa atentamente algumas das sessões lésbicas entre a sua mulher e Helena. Olhando com mais atenção, fica aterrado! Corre para o sótão e procura álbuns antigos de fotografias e, após alguma investigação, descobre que Helena é a irmã que nunca conheceu, pois sempre pensou que tivesse morrido à nascença. De facto, o que se passou foi que os pais de Helena (e Artur, portanto) a abandonaram à porta da Casa Pia de Lisboa pois não possuíam meios para sustentar uma filha que se dizia ser bastarda. Durante a descoberta da sua irmã surgem, inclusive, alguns daqueles flashback's acordados a Artur, o que faz com que ele coloque rapidamente o membro para dentro das calças pois já não consegue achar a cassete excitante.Determinado a conhecer a sua irmã, decide marcar um encontro com João para lhe contar o caso. Ao ouvir a história, João pergunta-lhe se pode dar uma espreitadela na cassete. Acha-la extremamente pujante pois já tinha imaginado cenas daquelas com a sua mulher, e decide enveredar por uma carreira de realizador de filmes pornográficos em português. Helena separa-se dele no mesmo dia. Maria do Céu não acredita que Helena seja irmã de Artur e convence-se que o marido tem um caso com ela. Separa-se dele uma semana depois. Artur encontra a sua irmã e apaixonam-se instantaneamente, mantendo uma relação incestuosa secreta. Maria do Céu, desesperada pela sua separação, desiste do seu emprego e tenta a sua sorte como actriz em filmes pornográficos. Três meses depois, Artur e Helena, agora casados pela igreja e tudo, alugam um filme pornográfico intitulado A Trilogia da Rata Molhada. Nesse filme entravam os seus antigos cônjuges, João e Maria do Céu. Deprimidos com o sucedido, mas nem por isso menos excitados, fazem amor apaixonadamente, e o fruto é um filho coxo com os braços ligeiramente mais curtos que o normal, que virá vinte anos mais tarde a ser aluno da Universidade Católica de Lisboa. João e Maria do Céu, desiludidos com a vida porca em que se meteram, decidem pôr termo à vida... dos seus antigos cônjuges! Esperam-nos à porta de casa e chacinam-nos com tiros de caçadeira. Artur morre instantaneamente. Mas Helena sobrevive, embora tenha ficado amputada da cintura para baixo, tendo encontrado emprego no Circo Cardinalli como a primeira lésbica incestuosa semi-decepada. Quando João e Maria do Céu são presos por agentes da GNR, João confessa ser o autor moral e material do crime, ilibando a sua esposa. Esta, agora com tempo nas mãos e sem nada para fazer, decide comprar uma moto tipo Vespa e segue o circo Cardinalli na sua digressão europeia de modo a poder gozar com Helena constantemente.

E é apenas isto. Faltarão talvez algumas personagens, algumas nuances, mas o bruto da obra é o que foi descrito. Com certeza que uma equipa de excelentes argumentistas - como aqueles que escrevem as novelas da TVI - conseguirão transformar esta pequena história numa centena e meia de episódios.

Sem comentários: